A guerra e o Soldado Negligente

Continuação de estudos nos livros históricos. Cristologia no livro de Josué

A Epístola aos Efésios corresponde, no Novo Testamento, ao livro de Josué no Velho. Fala-nos da nossa herança em Cristo, dos lugares celestes, o lugar das nossas bênçãos, o lugar que é nosso como sendo ressucitados junto com Cristo. É a epístola em que achamos a mais completa descrição do propósito do amor de Deus para conosco.Também é aqui que se descreve a nossa armadura e a nossa guerra.aprendemos que não lutaremos mais contra pessoas todavia contra espíritos malignos. (Efes.6:12).
Nos inimigos de Israel podemos ver figuras dos nossos. O Egito é uma figura do mundo. Os amalequitas --descendentes como eram de Esaú, aquele que vendeu a sua primogenitura por um simples prato de lentilhas— temos uma figura da carne, da nossa natureza humana. Mas nos cananeus vemos figurado um inimigo ainda mais temível; falam-nos dos inimigos espirituais.


As Ciladas do Diabo A luta entre Israel e os cananeus aprasenta-nos, em figura, a nossa luta contra Satanás o as suas hostes maléficas. «revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo"(efesios 6:11) Àquele que melhor conhecem o poder do Espírito Santo e sua plenitude (vide estudo sobre o assunto aqui), e mais experiência têm dele, são aqueles que também melhor enfrentam Satanás nessa guerra.

O Diabo não se apresenta só no seu Caráter de leão procurando tragar-nos, mas também como serpente para nos tentar e como anjo de luz, para nos cegar e levar ao erro. também gosta de incutir nos homens a ideia que ele não existe para que possa agir livremente. Não devemos nunca subestimá-lo, nem tão pouco superestimá-lo.


 
O Mar Vermelho e o Jordão Na história do povo de Israel havia um espaço de 40 anos entre a sua passagem do Mar Vermelho e do rio Jordão.Esse intervalo foi caracterizado pela falta da fé, e a desobediência; e de fato se não tivesse havido a falta da fé, desobediência e rebelião, que foram a causa por demorarem tanto tempo andando nesse deserto escaldante, o povo nunca teria tido necessidade de passar o Jordão, pois teria marchado diretamente de Ka-desh-barnea e entrado na terra de Canaan precisarem passar pelo rio Jordão.
Os dois, o mar e o rio, são mencionados juntos no Salmo 114:5
"Que tens, ó mar, que assim foges? E tu, Jordão, para tornares atrás?"

Vemos que há uma ligação íntima entre eles, considerados do ponto de vista ilustrativo. A passagem pelo leito tanto de um como de outro fala-nos da morte. Ambos mostram em silueta a nossa participação na morte de Cristo.

A passagem do Mar Vermelho inclui tudo no propósito de Deus, ainda que nem sempre na nossa experiência ali foram libertados do Egito eram agora livres da opressão mas muitas vezes gostariam de voltar para trás e se envolverem em toda aquele idolatria e imoralidades reinantes. Há crentes que entendem de forma plena o sentido da morte de Cristo e estão cientes de terem recebido o Espírito Santo ao se converterem, mas não é assim com todos.

Devido à falta de ensino claro acerca dos propósitos do amor de Deus e da plenitude do Evangelho, ou talvez a sua própria desobediência ou falta de zelo, muitos vão vivendo durante anos uma vida cuja experiência corresponde à dos israelitas quando andavam errantes no deserto, e precisam alguma experiência definitiva e nova, como foi para os israelitas a passagem do Jordão, para os Introduzir na nova e boa terra de paz, descanso e vitória. Eles sabem que a morte de Cristo é a base da sua salvação, estão cheios de filosofias e doutrinas mas não entendem plenamente o que é estar morto com Cristo.

Romanos 6:4 Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida.
A História da passagem do Jordão pelo povo do Israel é cheia de Instrução para nós a este respeito.

O povo chegou ao rio exatamente quando este estava cheio e transbordava em todas as suas margens, tornando assim a sua passagem impossível do ponto de vista humano. Mas logo que, em Obediência à palavra do Senhor, os sacerdotes levaram a arca e as águas recuaram e eles ficaram em pé no meio do rio. O general Josué mandou que um homem de cada tribo pegasse uma pedra do meio do rio para ao atravessar fazer um memorial em Gilgal para
Josué 4:24 24 Para que todos os povos da terra conheçam que a mão do SENHOR é forte, a fim de que temais ao SENHOR, vosso Deus, todos os dias.
Esperamos em Deus que possamos ser iluminados ao ponto de percebemos qual nossa verdadeira luta e o que devemos fazer para não falhar nessa missão "quase" impossível.

 
O Senhor nos guie.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este Comentário será exibido após moderação dos Editores da equipe Plugados com Deus!