A Música do Zaquel À Luz da Palavra de Deus

        AVALIANDO CANÇÕES À LUZ DA PALAVRA DE DEUS

    “Como Zaqueu, eu quero subir / O mais alto que eu puder / Só pra te ver, olhar para Ti/ E chamar tua atenção para mim/ Eu preciso de Ti, Senhor/ Sou pequeno demais/ Me dá a tua paz/ Faço tudo pra Te seguir/ Entra na minha casa/Entra na minha vida/Mexe com minha estrutura/ Sara todas as feridas/ Me ensina a ter santidade/Quero amar somente a Ti/Pois o Senhor é o meu bem maior/Faz um milagre em mim”.

        O pastor americano Joel Beeke, um dos mais eminentes defensores da fé cristã de matiz reformado, afirmou, certa feita, num artigo reproduzido pela Revista dos Puritanos, que nenhum crente tem desculpa para cantar hinos que, explicitamente, apresentam, em suas letras, erros doutrinários, assertivas que não encontram amparo nas Escrituras sagradas. A Fé Reformada, a que mais fielmente espelha a Revelação de Deus presente nas Escrituras sagradas, põe a Palavra de Deus no ponto mais alto de todas as nossas cogitações teológicas, toda a nossa espiritualidade. Esse é o sentido de afirmarmos ser a Palavra de Deus a nossa regra única de fé e prática, fonte normativa e autoritativa, a qual devemos submeter, cativa, a nossa consciência.
    É claro que nem sempre agimos assim, dada a nossa pecaminosidade e, também, pelo fato de não sermos perfeitos ainda. Contudo, é nosso dever empreender toda a diligência no sentido de compatibilizarmos o nosso sentir/pensar/fazer com aquilo que Deus ensina em sua santa Palavra. Isso inclui, obviamente, o que cantamos em nossos ajuntamentos solenes, dado que hoje, sobretudo no âmbito da realidade inerente à igreja evangélica brasileira, temos, lamentavelmente, cantado muitas músicas que atentam, flagrantemente, contra a Palavra de Deus.
    Músicas que, habilmente trabalhadas pelo cultura pragmática do mercado, transformam-se, de uma hora para outra, em arrebatadores sucessos de venda, passando a ser cantadas dentro e fora do arraial cristão, sem que a igreja tenha o cuidado devido de submeter tais canções ao crivo das Escrituras sagradas. Quando isso acontece, e é o que tem acontecido nesta triste e problemática gospelização da música evangélica, então nós cometemos pecado, ao emprestarmos os nossos lábios para reproduzirem enganos teológicos e inverdades que podem até embalar as nossas emoções, mas não fazem justiça ao que Deus revelou em Sua santa Palavra.
Portanto, o presente artigo, ao analisar perfunctoriamente uma das letras de maior sucesso de vendas dos nossos dias, não tem a pretensão de atingir a quem quer que seja, nem muito menos colocar sob a égide da suspeição a experiência de salvação de nenhum irmão. Longe de nós tal postura. Agora, diante de letras que, decididamente, desarmonizam-se com as Escrituras sagradas, é dever de todo crente que ama a Palavra de Deus, trazer uma palavra de reflexão que nos leve avaliar com mais profundidade o tipo de música que tem ocupado lugar de destaque em nossas igrejas e em nossos cultos.
     Examinemos, pois, a letra da música posta como epígrafe deste artigo e explicitemos as razões bíblico-teológicas por que a julgamos problemática do ponto de vista doutrinário.
    Em primeiro lugar, a ênfase da canção repousa na figura de Zaqueu, encarado na aludida música como modelo comportamental a ser seguido. Enfatiza-se, aqui, a ação de Zaqueu, o fato de ele ter subido na árvore para ver Jesus, atribuindo-se ao seu gesto o fator determinativo para o alcance da bênção de Deus. E, mais que isso, louva-se a performance que ele exibiu, supostamente capaz e atrair para si o favor e a atenção do Senhor Jesus Cristo.
    Ora, e desde quando somos nós que fazemos alguma coisa capaz de motivar a Deus a nos amar e a vir em nosso socorro com a sua graça salvadora? Se há em nós alguma realidade que nos torna merecedores do favor de Deus, então, como diria Paulo, a graça não é graça, e ferido de morte está o coração do evangelho de Cristo, alicerçado, todo ele, não no homem pequeno, fraco e pecador, mas, sim no Deus grandioso, forte, santo e gracioso. Admitir que haja em nós o poder de chamar a atenção do Senhor Jesus Cristo é apenas um passo para conduzir-nos ao evangelho legalista, estribado, não no Deus fez e faz por nós, mas sim naquilo que nós podemos fazer para ele.
 Depois, pedir ao Senhor que entre em nossa vida é pressupor que Ele está do lado de fora, o que é indisfarçavelmente incongruente, afinal das contas, a partir do instante em que o Espírito Santo nos regenera, nós nos tornamos morada definitiva do Senhor. E, definitivo, aqui, é definitivo mesmo. O Espírito Santo e, por extensão, o Pai e o Filho habitam perenemente no coração de todos os que, pela pregação do evangelho, nasceram de novo e passaram a ser novas criaturas.
    Um outro ponto importante é que todo crente de verdade em Jesus Cristo já é portador da sua paz, não a paz concebida como ausência de conflitos ou encarada como um mero estado de espírito marcado por absoluta serenidade. Mas a paz decorrente de um coração que foi perdoado e teve cancelada a culpa do pecado. A paz resultante de uma consciência que foi purificada pela Palavra de Deus e pelo sangue de Jesus Cristo. A paz que, fruto da graciosa obra da justificação pela fé somente, é sinal inamovível de que vivemos uma nova relação com Deus, mediada por Jesus Cristo e vivificada pelo poder do Espírito Santo.
    Por outro lado, quando vemos multidões e mais multidões cantando certas canções ditas evangélicas, motivadas muito mais pelo romantismo das letras, pelo envolvimento rítmico-melódico que elas exibem, mas sem nenhum compromisso efetivo com o Senhor Jesus Cristo, então devemos nos preocupar seriamente com o conteúdo daquilo que está sendo cantado. Na verdade, grande parte da hinografia evangélica dos nossos dias tem um caráter apenas terapêutico. São músicas cantadas, não para exaltar ao Senhor glorioso que em Jesus Cristo manifestou uma poderosa e eterna salvação, mas sim para massagear o ego inflado e pecaminoso de pessoas que tem encarado o evangelho que está sendo pregado hoje, na verdade um falso evangelho, apenas como uma fonte para saciar os seus caprichos carnais e mundanos. São músicas cantadas, não para dar relevo aos grandes e excelentes atributos de Deus, indeléveis expressões do Seu caráter santo, mas sim para levar o homem a continuar cultivando um estilo de vida absolutamente egocêntrico em seu viver cotidiano. Onde estão as canções que falam de arrependimento, novo nascimento, fé salvadora, justificação, santificação, céu, Deus, Jesus Cristo? Estão em franco processo de vergonhoso desaparecimento. Em seu lugar, entronizaram-se canções humanistas, centradas inteiramente no homem.
    Por mais que essa canção de Zaqueu seja norteada por aliciante tonalidade melódica, e que tenha caído no inquestionável gosto popular de evangélicos e não evangélicos, é nosso dever avaliá-la à luz da Palavra de Deus, pois, como assevera, lucidamente, Joel Beeke, não temos desculpas para cantarmos erros doutrinários. Que Deus nos dê discernimento.

JOSÉ MÁRIO DA SILVA
        PRESBÍTERO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este Comentário será exibido após moderação dos Editores da equipe Plugados com Deus!