A criação restaurada base biblica cosmovisão reformada


                                                               A CRIAÇÃO RESTAURADA
                A Criação Restaurada – base bíblica para uma cosmovisão reformada (Editora Cultura Cristã-SP-2006), de autoria do teólogo Albert M. Wolters, professor associado de Religião e Teologia/Línguas clássicas no Redeemer College, em Hamilton, Ontario, é um livro extremamente precioso e útil para quem anela compreender as Escrituras Sagradas como a grande metanarrativa de Deus; a superlativa história da sua graciosa Revelação ao homem, na qual vislumbramos a criação de todas as coisas, emanada do poder onipotente do Senhor; o registro trágico da queda do homem e as profundas conseqüências nela implicadas e, por fim, a narrativa grandiosa da redenção, cujo escopo indesviável é restaurar todas as coisas por meio da perfeita e eficaz obra expiatória que Jesus Cristo realizou na cruz do calvário, ao morrer e ressuscitar, glorioso, ao terceiro dia, recebendo do Pai a completa chancela por tão magnífico sacrifício.
                Escrito numa linguagem simples e exemplarmente didática, acumpliciada a uma admirável fidelidade às Escrituras Sagradas, o livro do aludido teólogo, de fato, fornece as bases inamovíveis para o cristão que, vivendo no interior do relativista mundo forjado pela filosofia pós-moderna, caracterizada pela irracionalista negação de todas as normas e valores que se pretendem absolutos, intenta construir e desenvolver uma cosmovisão que tenha em Deus e na sua inspirada e suficiente Palavra, a sua baliza e parâmetro inafastável.
                De modo objetivo, à luz da abordagem empreendida por Albert M. Wolters, pode-se definir cosmovisão como “a estrutura compreensiva da crença de uma pessoa sobre as coisas”. Dissecando os termos dessa conceituação daquilo que se pode entender como cosmovisão, o autor afirma que a palavra coisas, para não cair no campo semântico do demasiadamente vago e inconsistente, abrange, praticamente, todos os componentes imanentes à vida humana: a educação, a cultura, as artes, as relações familiares, o lazer, a política, o trabalho, o sofrimento, a morte, enfim, tudo o que se relaciona ao homem em sua existência terrena. Afirma, de igual modo, “que uma cosmovisão diz respeito às crenças de uma pessoa”. Crenças essas que, ultrapassando o território mais subjetivo de meras percepções subjetivas, ancoram-se no campo da epistemologia, de uma estrutura cognitiva mais fundamentada. Em suma: tais crenças fundamentam as convicções mais profundas que alguém nutre sobre a vida em geral. Arremata o autor, asseverando que “é importante observar que as visões de mundo se referem às crenças básicas sobre as coisas”.
                Assim, no caso específico do cristão, cuja vida foi salva pela ação graciosa da Trindade: do Deus Pai, elegendo; do Deus Filho, redimindo; e do Deus Espírito Santo, regenerando, a cosmovisão a ser sustentada por ele deve ter como paradigma seguro a Palavra de Deus, Revelação não exaustiva, mas suficiente, que Deus fez de Si mesmo, dando-nos dEle mesmo o conhecimento necessário para podermos saber quem Ele é; conhecer o seus grandes feitos redentivos na história; e, desse modo, podermos adorá-Lo na inexcedível beleza da sua santidade, fazendo-o de conformidade com as prescrições escriturísticas por Ele estabelecidas.
                A esse respeito, são mais que elucidativas as palavras de Albert M. Wolters quando indaga: “Qual é, então, a relação entre cosmovisão e Escritura? A resposta cristã a essa pergunta é clara: a nossa cosmovisão deve ser moldada e testada pelas Escrituras. Ela só pode legitimamente orientar a nossa vida se for baseada nas Escrituras. Isso significa que na questão da cosmovisão há um abismo significativo entre aqueles que aceitam a Escritura como Palavra de Deus e aqueles que não a aceitam como tal. Também significa que os cristãos devem constantemente checar a sua cosmovisão à luz das Escrituras, porque a falha em fazer isso produz uma inclinação poderosa de apropriação das crenças, mesmo das básicas, de uma cultura que tem se secularizado a uma velocidade tremenda por gerações”.
                Ora, se carecemos de conformar, permanentemente, a nossa cosmovisão com a Palavra de Deus, devemos lê-la diariamente, meditar nela com vagar e deleite, saturar a nossa mente com o seu elevado padrão de beleza e santidade, nutrir a nossa alma com o Pão Vivo que desceu do céu (Cristo Jesus), pois, é somente desse modo que poderemos experimentar a graça de não nos conformarmos com este mundo, antes nos transformarmos por meio da renovação do nosso entendimento, de acordo com a exortação inspirada que emanou do apóstolo Paulo em sua monumental Epístola aos Romanos.
                Quando a Palavra de Deus vai sendo escamoteada da nossa vida, deixando de ser verdadeiramente “lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho” (Salmo 119.105), então, inevitavelmente, nossa cosmovisão mundaniza-se, e os efeitos espirituais desse desvio sobre a nossa vida, em todas as áreas, passam a ser desastrosos: tornamo-nos frios, negligentes, inconsistentes, relativistas e pouco ou quase nada bíblicos.
                Um conceito-chave desenvolvido por Albert M. Wolters, em suas reflexões sobre uma cosmovisão de matiz reformado, é o que pressupõe a noção anteriormente referida como metanarrativa. Uma metanarrativa é uma “narrativa abrangente que explica todas as outras narrativas”, como pontua R. Albert Mohler Jr, em seu excelente livro Deus não está em silêncio-pregando em um mundo pós-moderno - brilhante e apaixonada defesa da pregação expositiva, a única que expõe, exegético-constextualmente, “todo o conselho de Deus”, aos homens que dele necessitam, não somente para serem salvos, mas também para viverem de um modo que glorifique a Deus.
                A metanarrativa pressupõe uma grande história, uma grande relato, que tem a pretensão inescondível de abarcar uma dada realidade da forma mais totalizadora possível. A Pós-Modernidade, de acordo com um dos seus grandes teóricos e intérpretes, o filósofo francês Jean François Lyotard, pode ser encarada como uma nítida demonstração de incredulidade para com as metanarrativas, dado que ela se essencializa, paradoxalmente, pela negação dos conceitos de centralidade, fundamentalidade e universalidade.
                O Cristianismo é a metanarrativa das metanarrativas, pois a história que ele conta abrange todas as outras histórias e encara a vida não como um amontoado de acontecimentos desconexos e destituídos de Teleologia, mas, sim, como um projeto sábio e santo de um Deus, o único Deus vivo e verdadeiro, eternamente existente em três pessoas, que criou todas as coisas para o supremo, merecido e justo louvor da sua glória.
                A fim de desenvolvermos uma cosmovisão bíblico-reformada, temos de entender a metanarrativa bíblica como sendo constituída de momentos capitais: a criação, a queda, a redenção e a consumação final radicada na própria redenção. Como acentua o teólogo R. Albert Mohler, Jr, no livro já aludido, “toda cosmovisão, toda metanarrativa tem um começo. Se temos de dizer algo significativo a respeito do mundo e para onde ele está indo, precisamos antes saber como ele começou”.
                Com a cosmovisão cristã, a realidade não se processa de modo distinto. Diferentemente da cosmovisão naturalista, para a qual o mundo e a vida nele presente não transcendem a condição de um acidente cósmico inteiramente impessoal, mecânico e sem transcendência, a cosmovisão bíblica assegura-nos que “No princípio criou Deus os céus e a terra” (Gênesis 1.1a). Assegura-nos, de igual maneira, que o homem e a mulher não são fruto de uma evolução de formas primitivas até o atingimento da dimensão superior da consciência, mas, sim, resultado da vontade santa e graciosa do Criador que os fez à sua imagem e semelhança, concedendo-lhes uma inalienável dignidade. De acordo com a cosmovisão bíblica, o homem e a mulher foram criados com o mais sublime dos propósitos: glorificar a Deus e gozá-lo para sempre, como nos ensina o Breve Catecismo em sua pergunta prolegumenar.
                O segundo patamar inerente à cosmovisão bíblico-reformada é o que assevera que, tendo sido criado livre, perfeito, mas mutável, e responsável moralmente por suas decisões, o homem pecou, caiu, quebrou o mandamento do Senhor, transgrediu a aliança firmada pelo Altíssimo e, corolário desta trágica decisão, tornou-se culpado diante de Deus e portador, desde a sua concepção, de uma natureza corrupta, depravada, em toda a extensão do seu ser.
                Nesse sentido, na cosmovisão bíblico-reformada, a queda não foi um simples deslize moral, um senão ético desimportante, mas, sim, um abominável ato de rebelião do homem contra o seu Criador, cujos efeitos, sinaliza Albert M. Wolters, “tocaram toda a criação”, arruinando-a e enchendo-a de dor, sofrimento, pecado e morte. A cosmovisão bíblico-reformada, de Gênesis a Apocalipse, acentua o caráter de corrupção moral e espiritual de que se impregnou toda a criação depois da queda dos nossos primeiros, Adão e Eva.
                O relato do Livro de Gênesis acerca da queda humana é sobremaneira elucidativo. Antes vivendo em harmonia perfeita com o Criador, depois da queda o homem sente culpa, vergonha, medo e, ato contínuo, passa a viver em litígio contra Deus, de quem procura esconder-se, tão logo ouve a sua voz ecoar na viração do dia; em litígio contra si mesmo, pois a Escritura declara que ele é mau desde a meninice; em litígio contra o próximo, pois não demorou muito e o primeiro homicídio encheu a terra com o sangue do ódio e da inveja: Caim matou Abel. Em litígio contra a terra, que deixa de ser um paraíso para produzir, em suas entranhas, cardos e abrolhos, tornando-se hostil ao homem, ao negar-lhe os seus frutos.
                Por último, a cosmovisão bíblico-reformada aponta para a redenção de Deus operada na pessoa do seu Filho Jesus Cristo. Albert M. Wolters afirma “que a redenção obtida por Jesus Cristo é cósmica no sentido em que restaura toda a criação”. Para o autor em foco, a redenção pressupõe, fundamentalmente, a restauração de tudo quanto foi criado por Deus e visto como muito bom. A ideia, aqui, não é “que Deus rejeita a sua primeira criação e, em Jesus Cristo, faz uma nova”, mas, sim, que “ele persiste na sua criação original caída e salva”. “Utilizando a linguagem tradicional da teologia, a graça não traz donum superadditum à natureza, um dom acrescentado no auge da criação; antes, a graça restaura a natureza, tornando-a íntegra novamente”.
                Essa maravilhosa redenção já efetuada pelo Filho de Deus no calvário, e da qual experimentamos, aqui/agora, efeitos grandiosos, é apenas um prelúdio da plenitude de vida que espera os salvos na eternidade, quando tristeza, sofrimento, iniquidade e morte serão definitivamente banidos, dos nossos olhos toda lágrima será enxugada e, em seu lugar, somente haverá alegria e paz no Santo Espírito de Deus.
                Concluindo essas considerações sobre o precioso livro de Albert M. Wolters, podemos dizer que o seu cerne argumentativo radica no fato de o conceito de cosmovisão bíblico-reformada atingir toda a esfera da vida do cristão, seu sentir/pensar/agir no exercício cotidiano de todas as interações que ele empreende com a realidade na qual está inserido. Abraham Kuyper, teólogo reformado holandês, no seu clássico livro Calvinismo, afirma que não há nenhum recanto do universo que o Filho de Deus não declare: “é meu”, reivindicando, desse modo, a indisputável prerrogativa do seu senhorio.
                Como dissemos no início deste artigo, A Criação Restaurada é um ótimo livro, didático, bem escrito e, sobretudo, rigorosamente bíblico em suas formulações teológico-doutrinárias, propiciando a quem o lê com atenção, de fato, bases sólidas para o cultivo de uma cosmovisão reformada. SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER.
                                                                                              JOSÉ MÁRIO DA SILVA
                                                                                              PRESBÍTERO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este Comentário será exibido após moderação dos Editores da equipe Plugados com Deus!