Surdez espiritual


Jesus saiu do território de Tiro e voltou para Sídon, em direção do mar da Galiléia, atravessando o território de Decápole. Trazem-lhe um surdo, que falava com dificuldade, e lhe suplicam que lhe imponha a mão.
Tomando-o à parte, longe da multidão, Jesus pôs os dedos nos ouvidos dele, cuspiu e tocou-lhe a língua.
A seguir, erguendo o olhar para o céu, suspirou. E disse-lhe: “Effatá”, isto é: “Abre-te”. Logo se lhe abriram os ouvidos, a língua se lhe desatou, e ele falava corretamente. Jesus recomendou-lhes que não falassem disso com
ninguém: mas, quanto mais recomendava, tanto mais eles o proclamavam. Eles ficaram muito impressionados e diziam: “Ele fez bem todas as coisas: faz os surdos ouvirem e os mudos falarem”
Marcos 7, 31-37
Na religião judaico-cristã a palavra ocupa um lugar central. Por isso, a cura deste surdo-mudo, relatada de modo tão discreto em Marcos 7, 31-37, adquire um significado maior do que aparenta.
Não nos é dito se esta pessoa era um judeu, mas o relato se faz no contexto deste povo. Para um judeu, poder ouvir a Deus e poder orar a Ele fazia parte da sua identidade – “ouve, ó Israel” – o hebreu é o povo que ouve o seu Deus irrepresentável, e que repete todos os dias o Shema Israel - , o texto de Deuteronômio 6,4-9, que determina que o viver diário, em todos os seus âmbitos, esteja permeado desta escuta. Esta prática foi ligada diretamente com a saúde – nosso tema destes dias: em hebraico, o Shema Israel tem 248 palavras, que correspondem aos 248 órgãos que se cria formarem o corpo humano. Recitar estas 248 palavras representava fazê-lo pelos 248 órgãos do corpo; isso era fonte de saúde. Não é só a boca que orava – mas o fígado, o rim, a bexiga, cada músculo e cada tendão...
Para o hebreu, ser surdo e mudo significava estar alijado da essência da devoção, incapacitado de realizá-la pelo ouvido e pela palavra. Para a psicologia, não escutar nem falar significa não desenvolver a característica mais intrínseca do ser humano, o acesso à linguagem.
Este o pano de fundo para tratarmos dessa cura, que será feita de acordo com as linguagens de compreensão do enfermo. Nem sempre um cuidador segue esta dica de Jesus, e tenta enquadrar aquele que busca auxílio na linguagem que domina, e declara os demais de incuráveis ou rebeldes. Estudar as curas de Jesus também nos inspira, como cuidadores e curadores, a sermos sensíveis e versáteis. Com o surdo-mudo Jesus vai usar uma linguagem não-verbal. Esta é classificada como mais arcaica, pois remete a um período mais precoce – anterior à palavra, tempo no qual a relação do bebê com sua mãe passa pelas linguagens dos outros órgãos dos sentidos. Para o bebê, é este contato na intimidade que o constrói como ser humano – pelos gestos da mãe, por seu olhar, aconchego e alimento, ele vai sendo humanizado.
A cura do surdo-mudo vai ser feita em seis passos, cheios de simbolismo:
1. Jesus, no início da cura, “conduz-o à parte, longe da multidão” – imaginemos a cena desta condução – uma condução não-verbal, um afastamento da multidão,para longe da massificação. Deixar-se conduzir exige uma confiança mais primitiva, originada não na fala, mas em outros signos. E lá, na intimidade do contato, o doente é cuidado na individualidade das suas dores para longe da massificação. Deixar-se conduzir exige uma confiança mais primitiva, originada não na fala, mas em outros signos. E lá, na intimidade do contato, o doente é cuidado na individualidade das suas dores
2. “Pôs os dedos nos ouvidos” – literalmente, “pôs o dedo na ferida”. A mão é fonte de contato, é canal de passagem do poder curador. Mas, também tem sua ambigüidade, pois pode ser meio de agressão. Deixamos que Jesus ponha a sua mão onde dói, ou fugimos, traumatizados com o passado?
3. Cuspiu e tocou-lhe a língua – Tocar com saliva é gesto de mãe que aplaca a dor e limpa a ferida do filho com suas secreções. Não é o distanciamento da palavra que sai da sua boca, mas o líquido – remetendo a uma comunicação por líquidos, tal como no útero.Freud fala que nosso sofrimento vem da sensação de desamparo, a partir da hora em que somos expulsos do paraíso do ventre e estamos sujeitos à natureza e seus fenômenos.
4. A seguir, erguendo o olhar.... Jesus Cristo olha para o alto, em direção ao Pai. Com o olhar para o alto, encaminha-o para além de si. É preciso remetê-lo ao Pai, origem de toda vida. Com o olhar, Jesus o introduz no Shema Israel: “O Senhor é o nosso único Deus”.
5. Jesus Cristo suspirou – com o sopro, pode-se expressar tanto: o sopro solidário pela dor; o sopro do Espírito, presença invisível de Deus. Mas também pode ser anúncio do sopro, que depois passará pelas cordas vocais e pela língua, para ser transformado em palavras – um processo que no bebê acontece por imitação e aproximação fonética.
6. E disse-lhe “Effatá” – abre-te. Depois de tantos passos no não-verbal e primitivo, linguagem do bebê, a palavra. E o surdo-mudo desata sua língua e começa a falar – insere-se nos devotos que ouvem a Deus e proclamam que Ele é o único, com todos os órgãos do corpo. Sua cura revela que “o reino de Deus se aproximou.”
PARA PENSAR
O que não consigo ouvir?
- Em mim, do meu caos de impulsos, afetos e desejos?
- Do meu próximo – seu grito de dor, seu clamor, seu desamparo, sua alegria?
- De Deus – do Seu caminho, do Seu chamado, da Sua bênção, da Sua cruz?
E o que está mudo em mim?
- Que linguagem está presa, que órgão fonador não se articula com o sopro do Espírito, para pronunciar as palavras impulsionadas por Ele?
- Que palavras são emudecidas e alojadas no corpo, na forma de dores, doenças, tensões musculares, inibições de prazeres e sentires?
- Que afetos são sufocados na forma de mutismos, angústias, raivas, tristezas e depressões?
- Que palavras são inibidas e transformadas em condutas de agressão – ativas e passivas - contra outros e contra mim?
- Que órgãos são esquecidos? Nossas entranhas ainda são consultadas, como no tempo dos salmistas? Podemos deixar o “Ouve, ó Israel” ser orado com todos os órgãos do corpo?
- Deixamos que Deus nos toque?  - Ou nos quedamos surdos e mudos, e desta forma nosso ouvido e nossa língua, mesmo expressando sons revela-se como surda e muda do Sopro Divino, incapaz de levar o matriciar de Deus, o anúncio da chegada do Reino em palavras e gestos?

fonte cppc.


Adicionar aos Favoritos BlogBlogs Adicionar artigo ao Del.icio.us Adicionar artigo ao Digg! Adicionar artigo ao DiHitt Adicionar artigo ao Eu Curti Adicionar artigo ao Furl Adicionar esta noticia no Linkk Adicionar artigo ao Rec6 Adicionar artigo ao reddit Adicionar artigo ao Slashdot Adicionar site ao Stumble Adicionar aos Favoritos Technorati Sabedorize esta notícia no WebSapiens

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este Comentário será exibido após moderação dos Editores da equipe Plugados com Deus!