A cessação dos dons extraordinários - Parte 04



CONTINUAÇÃO DO ARTIGO DO REV MOISES BEZERRIL:

Se o telos refere-se ao céu, isso quer dizer que não somente conheceremos o todo, mas também profetizaremos plenamente. Isso está certo? Como já falamos, muitos dizem que este conhecimento é o do céu. Mas, Paulo disse que a questão não era só em relação a conhecimento, mas diz que "que conhecemos em parte e profetizamos em parte", mas quando viesse "o que é perfeito" (telos ou teleion}, o que era em parte seria aniquilado. Se telos ou to teleion for o céu, perguntamos: no céu vai haver profecia? Se o que é em parte se torna completo no céu, poderíamos perfeitamente concluir que lá no céu haverá profecia e ciência. Mas, perguntamos se há base escrituristica para fazermos tal afirmação. Não, não há nada na Bíblia que defenda isso. Haverá profecia no céu? Não! Então, este conhecimento não se trata de conhecimento celestial.


Teleion não pode se referir neste contexto à segunda vinda de Cristo pelo fato de que a segunda vinda não corresponder a um processo iniciado. Perguntamos: a segunda vinda já começou? Não. A segunda vinda é um teleion? Não, mas é um teleioun, um processo em andamento até o estado eterno e termina. Para que possamos dizer que a segunda vinda é um teleion temos de dizer que a segunda vinda termina absolutamente tudo. Mas dentro deste processo da segunda vinda há a ressurreição de Cristo, a ressurreição dos mortos na Sua vinda, e aí virá o telos quando o Filho entrega o Reino ao Pai. Então a segunda vinda não é o telos, mas o teleioun que caminha para o telos. Teleion é sempre contrastado com ek meros. O que for ek meros não é teleion.


As duas ilustrações de Paulo, o desenvolvimento progressivo desde a infância até a maturidade na vida pessoal do apóstolo, serviria melhor para ilustrar o desenvolvimento do corpo de Cristo. A ilustração do ver em "espelho" que Paulo usa: "...então veremos face a face", não pode se referir ao céu, pois a expressão "espelho" é metafórica. Logo, "face a face", tem de ser metafórico também. Também, o que Paulo está dizendo com "ver" ("vemos como em espelho"), na verdade está dizendo "conhecer". Pois depois veremos "face a face; agora conheço em parte, então conhecerei como também sou conhecido". Você me vê "face a face", mas eu não me vejo. Você me vê como de fato eu sou. Mas eu não me vejo porque, quando olho para o espelho, vejo obscuramente e não como realmente sou. Da forma como eu sou "conhecido", eu não me vejo. O "face a face", é exatamente isso. Em Tiago 1:23-24, temos uma pista desta realidade, o Evangelho sendo visto num espelho. O ouvinte que não é praticante da Palavra é comparado a um homem que se vê num espelho. O espelho é o não real.


Se o teleion ("o que é perfeito") não chegou ainda, então não podemos considerar encerrado o Canon e o conhecimento e a profecia ainda são em-parte (ek meros). Mas podemos dizer que estes dons ainda são em parte? Quem seatreve a dizer isso? Se alguém se atrever a dizer que o conhecimento e a profecia são apenas em parte porque só na eternidade será o teleion, então, perguntamos: o que falta ser revelado? Será que esta pessoa tem a visão de profecia e conhecimento como aquilo que eu tenho de fazer amanhã, ou o que acontecerá amanhã... Paulo nem ao menos sonha com isso aqui neste texto. Isto é algo muito sério pois, se você disser que, o conhecimento e a profecia ainda são em parte, então o que fazer do texto Galatas 1.7-8: "Mas, ainda que nós.ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue evangelho que vá além do que vos temos pregado, seja anátema". Em João 15.15: "...porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer". O processo é assim: Jesus revela Deus aos apóstolos; o Espírito toma os apóstolos e lembra-lhes tudo o que eles ouviram de Cristo. Jesus disse que eles não deviam ficar preocupados a “redigir" nada naquele momento pois o Espirito iria fazer com que eles se lembrassem de todo ensino do Mestre no momento oportuno. Então, este conhecimento é a medida da revelação. Podemos dizer que Paulo não estava diretamente falando do Cânon e sim de que haveria uma maturidade da profecia-e do conhecimento no momento em que a revelação estivesse completa. Mas, chegamos por inferência ao Cânon. O conhecimento e profecias chegariam à sua plenitude quando a Palavra de Deus fosse revelada na sua totalidade.
Quais as novas verdades do processo do teleion? Ele não chegou? Quais as novas verdades e revelações? Os pentecostais crêem assim. Os Mormons também. Eles crêem tanto assim que têm apóstolos ainda e têm profetas, apóstolos, seus escritos...

A palavra teleion para os pentecostais significa que alguma coisa, agora, está parcialmente aqui; está se desenvolvendo presentemente e um dia há de se completar. A palavra cabe bem no conceito de revelação progressiva do Novo Testamento ao qual Paulo tinha conhecimento. Paulo tinha conhecimento de que a Palavra iria caminhando até chegar na plenitude de Cristo; Há um autor que defende que "o que é perfeito" não chegou ainda, que diz: "E como podemos estar tão certos de que o Cânon foi completado hoje? Suponhamos que das areias do Egito, os arqueólogos descubram uma epístola de Pauto que ainda não se encontra no Cânon..." E continua: "parte do que é perfeito teria demorado muito para chegar, mas não seríamos mesmo assim obrigados a reabrir o Cânon e incluir um outro livro? O Cânon não foi, afinal, terminado por-mandamerrto divino mas pelo critério humano com a Igreja decidindo da melhor forma possível. Quais os escritos a serem incluídos?". Dessa forma ele está dizendo que o Cânon está aberto e que profecias, revelações, coisas novas podem aparecer. Aqui eu vejo um outro problema nas cartas pastorais quando lemos: "A Escritura ensina e a Igreja crê que, em Sua soberania, Deus pode conceder o dom de línguas à Igreja quando lhe aprouver, em qualquer período da História". Eu pergunto: Onde está isso escrito? Alguém poderia dizer que Deus é soberano em fazer o que Ele quer. Mas Ele pode salvar todo o mundo? Para. sermos coerentes responderíamos que SIM! Mas, onde está escrito que Ele vai salvar a todos? Deus pode dar apóstolos novamente à Igreja hoje? Poder, pode, é claro! Mas a Bíblia diz isso? Este é o problema. Deus pode fazer tudo! O problema é que nós não vamos nos guiar em cima do que Deus pode fazer, mas vamos nos guiar em cima daquilo que está registrado, daquilo que Deus disse nas escrituras que vai fazer e faz. A conclusão que nós chegamos é que, se Deus faz o que Ele quer, a Escritura não é mais o padrão de julgamento de nada. Para que Escritura?! É bom lembrar que assim, Ele poderia, quando bem quisesse, contrariar as Escrituras. Se Deus revela em o que Ele quer em Sua Palavra para que o homem seja perfeito e perfeitamente habilitado a toda boa obra, como Ele iria revelar coisas que não estão na Palavra? Então, que ponto de vista teológico é este que Paulo apresenta nas Escrituras? Lembremo-nos de que a-Palavra é perfeita para que o homem seja perfeito. Por isso, não aceitamos este argumento. Não podemos esquecer que Paulo foi bem claro quando disse que se ele, que era apóstolo, ensinasse outro evangelho, deveria ser considerado anátema. Paulo tinha certeza de que o que a Igreja ia receber era aquilo que os apóstolos iriam dar; a Igreja seria fundamentada na doutrina dos apóstolos, nada mais e nada menos do que isso.

CONTINUA NO PRÓXIMO POST...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este Comentário será exibido após moderação dos Editores da equipe Plugados com Deus!